fbpx

Saúde das Mulheres

Saúde das mulheres, a ginecologia obstetricia por uma ótica mais feminista.

A ginecologia feminista não é uma especialidade médica e sim um jeito de construir atenção à saúde das pessoas a partir do cotidiano de atendimentos do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

Pretende transgredir as relações usualmente paternalistas e hierárquicas com profissionais de saúde. Aqui a pessoa é entendida como capaz de entender seus processos fisiológicos e de doença, decidir sobre o que é melhor para si e atuar para viver uma vida boa.

As profissionais de saúde nesse contexto vão ajudá-la/o a encontrar as melhores informações e traduzir evidências científicas. Vão ouvi-la/o e construir juntas/os um projeto terapêutico de acordo com as demandas da pessoa. A pessoa está no centro de seu cuidado e a terapêutica é pensada de maneira a contribuir para que ela possa ter autonomia para cuidar de si mesma. Entra aí a centralidade da fitoterapia e outras práticas suaves de auto-cuidado.

O cuidado é livre de dano. O exame físico é pensado para que possa proporcionar uma oportunidade de conhecer-se e superar as memórias de dor e constrangimento vividas nesse contexto. Os exames complementares são realizados conforme necessidade individual de cada mulher. As “rotinas ginecológicas” e check-ups são problematizadas com a mulher para que possa entender quando cada um dos exames está indicado.

O atendimento é pautado por profundo respeito à orientação sexual e identidade de gênero visando recuperar a oportunidade de todas as pessoas a uma boa interação com seus cuidadores/as.

A ginecologia feminista propõe uma reinterpretação da fisiologia, etapas de vida e história das mulheres a partir das lentes do feminismo. Não falamos de sexologia mas de sexualidade. TPM é uma janela de oportunidade para observar-se o que se sente e também a construção social de um momento em que é permitido à mulher o descontrole. A maternidade uma opção. A mulher com gravidez indesejada ouvida e acolhida. A menopausa, não o declínio, mas o fim de um ciclo e uma nova etapa de potência e criatividade. O planejamento é reprodutivo e não familiar.

A ginecologia feminista é uma oportunidade para um cuidado livre de julgamento e moralismo e cheio de liberdade e amorosidade com quem somos.

Halana Faria

Atendimentos realizados por médica Ginecologista, Médicas da Familia e Comunidade e Obstetrizes:

Precisando de Atendimento?

Equipe do Ambulatório

Aline Oliveira
Médica de família e comunidade formada pela FMUSP, trabalhou na rede municipal de saúde de SP, atualmente trabalha no Hospital Sírio Libanês e no Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

Luiza Cadioli
Médica de família e comunidade formada pela FMUSP, atua no Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde desde 2014 e em um posto de saúde da Zona Oeste de São Paulo desde 2017.

Bruna Couto Novaes
Médica de família e comunidade pela FMABC, atualmente é professora da medicina Unicid e atua no Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, além de cineasta e feminista.

Nathalia Cardoso
Médica de Família e Comunidade pela FMUSP, trabalhadora do SUS em uma unidade básica de saúde desde 2018 e do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde desde 2015.

Carla Marques
Médica de Família e Comunidade pela FMUSP, faz parte do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde desde 2017. Também atua em Unidade Básica de Saúde do SUS na zona oeste de São Paulo desde 2018.

Monica Verdier
Médica de família com graduação e residência pela FMUSP. Trabalha no Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde e preceptora na residência de Medicina de Família e Comunidade da FMUSP. Bailarina nas horas livres.

Mariana Villiger Médica de família e comunidade pela FMUSP, atua no SUS em uma UBS da zona oeste de São Paulo, tutora da Residência de Medicina de Família e Comunidade da FMUSP, pós-graduanda em Sexologia pela UFABC. Atua no CFSS desde 2018.

Joyce Martins
Médica de família e comunidade pela FMABC, atualmente é professora da medicina Unicid e atua no Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, além de cineasta e feminista.

Luisa Jacques
Médica pela UFMG, ginecologista e obstetra pelo hospital municipal Odilon Behrens (BH/MG) e pós graduanda em ginecologia endócrina pelo hospital Sírio Libanês. Trabalha atualmente no Coletivo Feminista de Sexualidade e Saúde e em UBS na ZS em São Paulo.

Mariana Percia
Ginecologista graduada pela UFAL. Residência pelo Conjunto Hospital Mandaqui (SUS-SP). Trabalhou na rede municipal em São Paulo e Rio de Janeiro com população em situação de rua; e com atendimento a violência sexual em CDDM em Maceió. Atualmente atua no Coletivo e  no Hospital do Mandaqui.

Rua Bartolomeu Zunega, 44 Pinheiros – São Paulo/SP
© 2020 Coletivo Feminista de Sexualidade e Saúde • Todos os direitos reservados.