fbpx

Mês Internacional de Luta pela Prevenção da Transmissão do HIV

Além disso, dia 01 de dezembro foi o dia internacional de luta pela prevenção da transmissão do HIV. O vírus do HIV pode existir em qualquer corpo e pode demorar muito tempo para se manifestar. Por isso é importante fazer o teste sorológico. Esse teste permite que descubramos se temos o vírus antes de ter sintomas e nos possibilita tratar a infecção para que não adquiramos a síndrome da imunodeficiência. Pessoas que vivem com HIV e tomam seus remédios podem ter carga viral indetectável, o que significa que a chance de transmitirem HIV para outras pessoas é zero. Isso significa que a chance de uma pessoa que não vive com HIV pegar HIV é maior se ela transar com alguém aleatório do que com alguém que vive com HIV e se trata. Muitas são as barreiras para que pessoas não queiram se testar: estigma, preconceitos, medos. Mas é importante que falemos sobre o assunto cada vez mais.

Indicamos como dica os vídeos de Jout Jout com Gabriel Estrela, vídeos descontraídos que abordam preconceito, estigma, liberdade e o principal: transmitem conhecimento. Muitos lindos!

Além disso indicamos o livro de Vera Paiva “Fazendo arte com a camisinha: sexualidades jovens em tempos de Aids”

Artigos Relacionados:

Rua Bartolomeu Zunega, 44 Pinheiros – São Paulo/SP
© 2020 Coletivo Feminista de Sexualidade e Saúde • Todos os direitos reservados.

Segundo a OMS, o Brasil tem a 5a. maior taxa de feminicídios do mundo. Entre 1980 e 2013, 106.093 mulheres morreram por serem mulheres. A Agência Patrícia Galvão traz dados que confirmam que ser mulher é um risco: uma travesti ou mulher trans é assassinada no país a cada dois dias; 30 mulheres sofrem agressão física por hora; uma mulher é estuprada a cada dez minutos; 97% das mulheres já foram vítimas de assédio no transporte; e 76% das mulheres já sofreram violência e assédio no trabalho.